GOSE: Um estilo de cerveja (quase) extinto

Comments
2.279 visitas

gose2.jpg

O sabor da breja é salgado, e não por acaso: a ela é adicionada uma quantidade de sal. Ao mesmo tempo, é também azedo, obra da adição de bactérias lácticas após a fervura do mosto. Os aromas e amargores do lúpulo são pouco perceptíveis. É elaborada com pelo menos 50% de malte de trigo, e não é filtrada. Seu teor alcoólico varia entre 4% e 5% ABV. Os únicos três rótulos ainda fabricados no mundo — em diminuta escala — são os da foto acima. Há ainda quem goste de misturar a breja a doses de kümmel, um aguardente de cominho. Está-se falando do estilo gose, um tipo muito raro de cervejas ale, que sequer é mencionado no BJCP, o guia de estilos de cerveja mais comumente utilizado.

Goslar é uma pequena cidade do norte da Alemanha mais famosa por ter sido, em 1123, o lar do imperador Friedrich I, o Barba-Ruiva. Ostenta a maior concentração de casas antigas em estilo enxaimel do país. Foi lá, a partir do seu nome, que no século 18 a gose foi brassada pela primeira vez, tornando-se popular também em Leipzig onde, até o final dos anos 1800, foram fundadas várias cervejarias. Diz-se que o escritor Goethe, em suas visitas à cidade, esbaldava-se da breja.

Inicialmente, a gose (não confundir com gueuze, outro estilo de cervejas não menos “esquisito”) era fermentada espontaneamente, com leveduras selvagens trazidas pelo ar, a exemplo das lambic belgas. Já no século 19, esse método foi abandonado com o uso de fermentos e bactérias lácticas na intenção de produzir o mesmo efeito. Por utilizar o sal e o coentro em sua receita, a gose é uma das poucas brejas alemãs a não seguir a Lei de Pureza da Baviera (Reinheitsgebot), uma vez que é considerada uma “especialidade regional”.

Até a eclosão da Segunda Guerra Mundial, a cervejaria Rittergutsbrauerei, na cidade de Dölnitz, era única ainda em funcionamento a produzir a breja. Quando, em 1945, foi nacionalizada e fechada, a gose desapareceu do mapa. Nos anos seguintes o estilo ainda ensaiou algumas aparições na Alemanha, mas sem emplacar.

Foi somente em 1980 que um certo Lothar Goldhahn, que estava restaurando um antigo gosenschenke (bar especializado em servir a gose), decidiu reviver a variedade. Começou então a procurar, inicialmente sem sucesso, por cervejarias da região que se dispusessem a fabricar o estilo esquecido. Graças a Lothar, hoje há três cervejarias que ainda produzem a gose. Uma delas, a Brauhaus Goslar, ainda funciona, modesta e artesanalmente, na pequena e linda Goslar, onde tudo começou.

goslar1.JPG

Este escriba, flanando na praça central de Goslar.

——————————

VEJA TAMBÉM:

Lambics: Da ojeriza à genuflexão, sobre outro estilo raro e incompreendido de cervejas.

Comentários

  1. Evandro disse:

    A-há! E assim vamos dando nossa contribuição para as cervejas feitas com empenho e tradição… Ainda vou a Goslar provar da salgada….

  2. […] artigos, recomendacoes, historias, avaliacoes e noticias do mundo da cerveja. fique por dentro clique aqui. Fonte: […]

  3. […] Gose, outro estilo quase extinto de cervejas. Posts relacionados:Os comerciais de cerveja que deixaram […]

Cursos do Brejas

Participe dos cursos de cerveja do Brejas

  • Fabricação de Cerveja Caseira
  • Estilos e Degustação de Cerveja