Arquivos para a Categoria 'Artigos'

South Beer Cup 2014: A “Libertadores da América” da cerveja

Comentários
599 visitas

southbeercup

Passada a grande festa que foi o II Concurso Brasileiro de Cervejas — por assim dizer, o “Brasileirão” do nobre líquido –, chega a vez da South Beer Cup 2014, que vai escolher as melhores cervejas da América do Sul.

Em sua quarta edição, alternando entre o Brasil e a Argentina, o concurso deste ano será realizado em Belo Horizonte (MG) entre os dias 21 e 24 de maio. A organização da edição brasileira está a cargo da ACervA Mineira, entidade representativa dos cervejeiros caseiros do Estado a qual, embora não possa participar com suas cervejas caseiras, é notória por sempre apoiar o movimento cervejeiro artesanal. O evento acontece em conjunto com a VIII BrasilBier. Podem concorrer todas as cervejas sul-americanas produzidas profissionalmente — as brasileiras devem ter registro no MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

Todo o processo de inscrição dos rótulos deve ser feito on-line pelo site da ACervA Mineira, o qual também abastece os concorrentes de todas as informações técnicas e práticas da competição, como o regulamento oficial e o Guia de Estilos da Brewers Association (BA), que servirá de referência para as avaliações dos julgadores. Estão sendo esperadas na capital mineira diversas personalidades do meio cervejeiro nacional e internacional. Do lado de lá, entre outros, virão os cervejeiros Pete Slosberg (Pete´s Brewing Company – EUA), Fal Allen (Anderson Valley – EUA), Thomas Thyrrel (VLB Berlim – Alemanha), além dos cervejeiros caseiros americanos Dan Teff e Sean Paxton.

Principais prazos para os cervejeiros

Para os cervejeiros de toda a América que querem levar as medalhas da chamada “Copa Libertadores da América da Cerveja”, liguem-se nas principais datas da South Beer Cup 2014:

- 17/02/2013 a 30/04/2014 – Prazo para as inscrições e para o envio das cervejas.
- 30/04/2014 – Todas as cervejas (exceto brasileiras) devem ser recebidas em Buenos Aires – Argentina.
- 30/04/2014 – Todas as cervejas (exceto internacionais) devem ser recebidas em Belo Horizonte, Brasil.
- 21-22/05/2014 – Julgamento das cervejas em Belo Horizonte, Brasil.
- 22-25/05/2014 – Seminários, Eventos nas cervejarias mineiras e a Feira Brasil Bier na Expominas – Belo Horizonte.
- 24/05/2014 – Anúncio dos vencedores da South Beer Cup 2014 na Cerimônia de Premiação, na Expominas, em Belo Horizonte.

Para maiores informações, acesse o site oficial da ACervA Mineira.

Pitacos sobre o Festival Brasileiro da Cerveja 2014

Comentários
2.183 visitas

Festival-da-Cerveja03

Assentada parte da poeira levantada pelo Festival Brasileiro da Cerveja ocorrido semana passada em Blumenau (SC), seguem alguns comentários e sugestões sobre o mais importante evento cervejeiro do país.

Organização impecável

Já estive em alguns festivais cervejeiros no mundo e a cada ano me impressiono com a excelência do de Blumenau. É impressionante como os caras aprendem com os erros das edições passadas e trabalham duro pra resolvê-los. Obra de gente séria e competente como Valmir Zanetti, Ricardo Stodieck, Georgia Rublesch e grande elenco.

A abertura de mais um dos pavilhões mostrou-se acertada, uma vez que, já na quarta-feira, 12, se fôssemos juntar o público presente espalhado por ambos os espaços em apenas um, certamente teríamos problemas de lotação. Já nos demais dias o público era visivelmente bem maior que nas edições passadas, o que refletiu nas vendas dos expositores, com crescimento de, em média, 40%, segundo apurei informalmente com vários deles.

Os problemas de anos anteriores com a falta de caixas para venda de Ninkasis (a moeda oficial do Festival) parecem ter-se solucionado neste ano com posições maiores, mais confortáveis e em maior número. Não vi filas de mais de 5 pessoas em cada caixa. Na área comum, mesmo com grande público, o ambiente era confortável, sem ninguém ficar se esbarrando. Desnecessário comentar as já conhecidas limpeza e segurança, sempre a níveis ótimos.

Concurso consolidado e aquecido

A cerveja, talvez, desperte o mesmo nível de paixão que o futebol, o que pode explicar, em parte, as críticas entusiasmadas que o II Concurso Brasileiro de Cerveja suscitou nas mídias sociais. Apenas o fato de tais críticas existirem já demonstra a consolidação que a competição obteve no meio cervejeiro, que nesse ano dobrou o número de cervejas inscritas. Todavia, como jurado que fui pelo segundo ano consecutivo — e conhecedor do que acontece nos bastidores do certame — cabem aqui algumas observações.

A escolha da diretriz de estilos da Brewers Association (BA) foi, mais uma vez, acertada, já que é essa que baliza os principais concursos mundiais, incluindo nessa conta o maior deles, a bienal World Beer Cup, que será realizada neste ano em Denver (EUA) — e da qual também serei um dos jurados. Em que pese a excelência do ótimo guia do Beer Judge Certification Program (BJCP), trata-se de uma diretriz voltada para cervejeiros caseiros, motivo pelo qual não pode ser utilizada para julgar cervejas já inseridas no mercado.

Juízes escolhidos com pluralismo

Já a escolha dos juízes, mais uma vez a cargo da coordenadora do Concurso Amanda Reitenbach, deve ser respeitada, o que faria mesmo se não fosse escolhido como integrante do corpo de jurados. Foram selecionados profissionais atuantes nas diversas esferas do mercado cervejeiro, buscando sempre a pluralidade de competências, sem panelinhas, apaniguamentos ou compadrios. Se muita gente boa acabou ficando de fora foi porque não tinha espaço suficiente para incluí-las, e essas pessoas, caso realmente sintam-se seguras com suas próprias competências, não devem sentir-se excluídas.

Julgar cervejas, é bom dizer, não é uma reunião botequeira de amigos pra decidir qual cerveja é a mais gostosa. Julgar cervejas requer, antes de tudo, incorporar a noção de que se está mexendo num mercado que envolve muito dinheiro, a premiar — ou castigar — profissionais que investem muito e sustentam famílias. Portanto, o estudo contínuo e sério, bem como a “hora-copo” (uma forma mais divertida de nomear o treinamento) são fundamentais. Todos nós pagamos dos próprios bolsos pelo privilégio de contribuir com um Concurso tão importante no cenário cervejeiro nacional, tão carente de estímulo. Acordamos cedo, passamos quase sete horas sentados quase sem conversar, a avaliar cervejas que não escolhemos, desenvolvendo bolhas nos dedos por preenchermos fichas de avaliação a cada amostra, as quais são entregues para os próprios cervejeiros após a competição. É extenuante e muitas vezes aborrecido, embora altamente instrutivo (e essa é a contrapartida). Jurados merecem respeito.

É imprescindível notar que, enquanto o número de cervejas inscritas no Concurso dobrou, o número de medalhas conferidas permaneceu quase o mesmo, conforme a imagem abaixo:

Imagem: David Figueira

Imagem: David Figueira

É claro inferir que, nesse ano, os juízes estiveram ainda mais comprometidos com o rigor técnico a cada amostra, comprovando, através de números, que estamos chegando bem perto da excelência, traduzida em um equilibrado número de medalhistas que premie quem realmente merece, sem desestimular quem está quase chegando lá.

Juiz com escritura em cartório

É fato que a escolha dos juízes poderia ser feita através de diplomas ou certificados. O entendimento é comum, já que estamos no Brasil, com raízes cartoriais, no qual canudos determinam o quem-é-quem, e até mesmo excluem competências consolidadas. Críticas à competência deste ou daquele jurado sempre existirão, mesmo se colocássemos trinta Mickaels Jacksons como julgadores — o qual, aliás, não tinha canudo nenhum a não ser o de jornalista.

No mesmo pensar, cervejeiros que possuem cervejas concorrentes devem, sim, ser jurados. Em todos os concursos sérios no mundo sempre foi assim, seguindo a percepção, acertadíssima, de que jamais devemos prescindir de conhecimentos preciosos e consolidados pra julgar cervejas (ou, a grosso modo, quem é mais competente pra ser jurado do que o próprio cervejeiro?). No Concurso Brasileiro de Cerveja, como sempre foi feito, o cuidado tomado foi o de não levar aos cervejeiros amostras de suas próprias cervejas. Apenas essa providência já é mais que suficiente para que não hajam marmeladas, ao mesmo tempo que se aproveitam os preciosos conhecimentos dos cervejeiros profissionais para julgar, em testes cegos, todas as demais cervejas que não são as suas próprias.

As campeãs

Final de campeonato é sempre assim, cheia de polêmicas e discussões acaloradas. A escolha das cervejas medalhistas não escapou à sina, com comentários positivos e outros negativos, chegando ao ponto da simples virulência rasteira e desembasada.

Nas mesas de julgamento, cada juiz recebia as amostras de cervejas em taças modelo ISO, separadas por estilo, sem quaisquer identificações que pudessem levar ao conhecimento dos seus rótulos (ou seja, o famoso “teste cego”). Ninguém, à exceção da organização, tinha acesso à sala onde eram servidas as cervejas nessas taças. Nenhuma “dica” era dada pelos organizadores a cada amostra. Era, sim, completamente impossível identificar os rótulos que estávamos julgando.

O julgamento se dá segundo as estritas diretrizes de cada estilo no guia BA, respeitando a inscrição de cada produtor. Isso fez com que acontecessem situações peculiares, nas quais cervejas excelentes fossem desclassificadas unicamente por não estarem inscritas em suas categorias corretas. Fica a dica aos cervejeiros para valerem-se dos serviços profissionais de sommeliers de cervejas a fim de, no ano que vem, melhor enquadrarem suas amostras, evitando tais situações.

Já algumas acusações de que algumas cervejarias fizeram “lotes especiais” ou trocaram rótulos unicamente para obter medalhas são absurdas, e sequer merecem comentários. Quem conhece uma cervejaria sabe que isso é impossível, além de contraproducente.

Açaí campeão

O cuidado da coordenação do Concurso foi tão extremo que as cervejas do tipo “tá na cara” (aquelas tão particulares que nós, brasileiros, mataríamos numa cheirada) foram direcionadas às mesas de julgamento dos jurados estrangeiros. Inferi, após o resultado, que assim aconteceu com a cerveja mais bem pontuada na competição, a Açaí Stout, da paraense Amazon Beer. Anunciar essa cerveja como a “melhor cerveja do ano” — a meu ver, equivocadamente — suscitou debates, em que pese ser a campeã uma belíssima cerveja.

Polêmicas à parte, a título de crítica construtiva, acho que a simples somatória dos pontos de todos os jurados para eleger a “cerveja do ano” poderia ser melhorada a exemplo de outros concursos, nos quais alguns jurados escolhem uma cerveja “best of show” a partir das cinco ou dez mais pontuadas, independente do estilo. De qualquer forma, fazendo isso ou mantendo-se a sistemática vigente, críticas e debates sempre acontecerão.

O que também pode mudar é a escolha da “Cervejaria do Ano”, a qual hoje é feita somando-se o número absoluto de medalhas, sejam ouros, pratas ou bronzes. Sugiro que se estabeleça um critério de pontuação simples para cada premiação, com peso maior às mais valiosas, de forma que ouros se sobreponham às pratas e essas às bronzes.

Fazendo história

Cada um de nós, sejamos cervejeiros, juízes, sommeliers, comerciantes ou mesmo consumidores, estamos construindo uma importante e linda história. Cada qual, à sua maneira, é responsável pela mudança gradual e saudável de hábitos de consumo do público em geral.

O Festival Brasileiro da Cerveja é, hoje, a peça mais fundamental dessa evolução. Apoiá-lo significa andar pra frente. Que as críticas sejam construtivas e, sobretudo, propositivas!

Cervejaria americana usa drones para fazer entregas

Comentários
4.311 visitas

Drone

A microcervejaria americana Lakemaid Brewing, de Wisconsin, lançou um serviço de entrega de cervejas que está dando o que falar. Por meio do site da empresa, o cliente pode mandar sua localização por GPS. Em seguida, um drone faz o serviço de delivery. Não acredita? Veja o vídeo:

A gigante Amazon já havia anunciado um serviço semelhante, até agora não implementado. Isso pra dizer que foram os cervejeiros a inaugurar a novidade!

(OK, não resistimos em dizer: Chupa, Amazon!) :-)

ATUALIZAÇÃO: Soube agora há pouco que a alegria da Lakemaid – e dos bebedores de Wisconsin – durou pouco. As autoridades americanas acabaram de proibir o serviço “drone delivery”. De qualquer forma, acho que, ao menos tecnicamente – já que, como o filme mostra, foi entregue ao menos um pack de cervejas -, a microcervejaria americana inaugurou efetivamente uma nova era!

Misturar cerveja com destilado não potencializa a embriaguez

Comentários
8.809 visitas

Ressaca

Se você consegue encarar uma caipicerva (aquele drinque de cerveja com pinga), pode festejar: não tem o menor problema juntar uísque, cerveja, vinho e vodca. Não é a mistureba que influencia o tamanho do porre, e sim o teor alcoólico das bebidas (não importa se destiladas ou fermentadas) e o número de copos que você emborca. O excesso de álcool que não consegue ser metabolizado pelo fígado é o que causa a intoxicação alcoólica.

Entenda — e evite — a ressaca

Dor de cabeça, mal-estar generalizado, vontade de morrer… O pesadelo do dia seguinte à farra é consequência da queda do nível de glicose no sangue (hipoglicemia). “A glicose é o combustível do cérebro. Quando está em falta, o desempenho das funções cerebrais fica prejudicado”, explica Daniel Magnoni, cardiologista do Hospital do Coração (HCor). Como o fígado, que armazena e distribui a glicose, se sobrecarrega ao metabolizar o álcool, a distribuição do nutriente falha. Como o álcool é diurético, o mal-estar também é consequência da desidratação e da perda de eletrólitos (sais minerais) pela urina. Por isso, se você está disposto a encher a cara, o melhor a fazer é se prevenir ingerindo bastante líquido. “Um truque para não desidratar é intercalar vários copos d’água entre os drinques ao longo da noite”, ensina Magnoni.

Outra medida preventiva é suprir o corpo com uma boa dose de carboidratos (que vão elevar o nível de glicose e dar energia) logo depois de beber. Ao chegar em casa, faça um lanche, de preferência usando pães integrais, que possuem carboidratos complexos, absorvidos mais lentamente do que os simples. Um bom suco de frutas também ajuda: o líquido vai combater a hipoglicemia, fornecendo uma boa quantidade de frutose, o açúcar da fruta. E adeus, ressaca!

Mais do que a mistura, o que pesa é o teor alcoólico das bebidas e o número de copos que você bebe.

Fonte: Superinteressante

Andechs: Cerveja na Montanha Sagrada

Comentários
577 visitas

Andechs1

Tradição beneditina de acolher peregrinos com cerveja resiste ao tempo na Alemanha

Uma idílica colina fincada nas margens do lago Ammersee, no cenário deslumbrante da Baviera, região sul da Alemanha, de cara para as neves eternas dos Alpes. Ali se chega de carro e sobe-se a pé o promontório cercado de construções medievais. De um discreto portão aberto encravado nas alvas paredes partem vozes animadas, música e um alegre alarido de pratos e talheres. Do lado de dentro, grandes mesas e bancos de madeira acomodam centenas de pessoas de várias idades, praticamente todas brindando ao ritmo da canção com reluzentes ma?krug — canecos de vidro de 1 litro — contendo cervejas de espumas fartas. Nos pratos, suculentos joelhos de porco com sauerkraut.

Andechs2

Foi em 1455 que o duque Albert III criou o mosteiro beneditino na pequena vila de Andechs. O local escolhido foi a antiga colina chamada então de Heiligen Berg, ou “Montanha Sagrada”. Uma regra proclamada pelo próprio São Bento decreta que quaisquer hóspedes devem ser recebidos como se fossem o próprio Cristo. Os beneditinos de Andechs respeitam a diretriz como se espera na Baviera. Desde o século 15, quando a abadia barroca do alto da Montanha Sagrada foi erigida, os religiosos recebem todos os peregrinos com boa comida e boa cerveja.

Visitar a Montanha Sagrada de Andechs é uma experiência inesquecível. Toda a história do lugar e desta visita será contada por mim na primeira edição da revista Last Call for Beer, em janeiro. Não perca!

Enquanto a revista não chega, curta algumas das imagens que fiz no local:

Continuar lendo ‘Andechs: Cerveja na Montanha Sagrada’

Página 1 de 8712345...102030...Última »

Anuncie

Anuncie no Brejas e divulgue o seu negócio:

Baixe nosso Mídia Kit

Entre em contato: brejas@brejas.com.br

Cursos do Brejas

Participe dos cursos de cerveja do Brejas

  • Fabricação de Cerveja Caseira
  • Estilos e Degustação de Cerveja