Arquivos de tag para 'cerveja'

Brasil: terra de grandes oportunidades para cervejas que não impressionam, mas que também não ofendem

Comments
2.838 visitas
enhanced-buzz-6492-1330456564-1
Foto: captiontool.com

Sabe aquela cerveja com viés artesanal que você beberia a tarde toda em uma confraternização com amigos, num churrasco ou mesmo sozinho sem que pra isso você não precisasse abraçar o cheque especial? Daquelas que a qualidade não impressiona, mas que também não ofende? Pois é. Até alguns anos atrás eu diria que a única que enquadraria neste range era alguma Eisenbahn.

Entretanto, o mercado como um todo cresceu e a Eisenbhan não acompanhou as expectativas dos consumidores (principalmente depois de sua aquisição pela Schin e posteriormente pela Brasil Kirin). Ficando estagnada com o seu portfólio que já passa dos 10 anos de idade sem praticamente nenhum lançamento relevante. Ou seja, ao passo que mais pessoas começaram a desbravar o mundo das artesanais mais cobranças por cervejas acessíveis ($$$) e de qualidade aceitável  se tornaram praticamente uma unanimidade na cena cervejeira.

Contudo, por diferentes razões (investimentos tímidos, sistema tributário, atravessadores, margens questionáveis de cervejarias que produzem para ciganas e também de PDVs etc) esse vácuo teimava em existir. Porém tudo indica que tal cenário começou a passar por uma mudança. Recentemente chegaram ao mercado algumas cervejas artesanais que custam abaixo de R$ 10 e que entregam um conjunto sensorial bem honesto. Destaques para a brasileira Maniacs IPA (comercializada como Session IPA  mas que na verdade é uma APA) e a sueca Pistonhead Flat Tire.

photogrid_1477569234899Foto: Divulgação

E como a Maniacs vem conseguindo trabalhar sua cervejas de entrada com preços tão agressivos? Algumas das explicações passam pela escala de produção – enquanto a maioria das pequenas cervejarias (especialmente as ciganas) produzem bateladas de 2 mil litros, a Maniacs começou com 25 mil – e também pelo fato deles contarem como uma rede de distribuição própria.

Resumindo: se mantiverem a consistência e os preços, certamente essas cervejas terão espaço cativo nos copos de grande parte do mercado cervejeiro. E naturalmente abrirão caminho para outras cervejarias que adotarão estratégias parecidas. Além disso, é bom frisar que o mercado brasileiro tem espaço para quase todas as propostas. Para finalizar: ao menos que você seja o  Guilherme Tosi (o cara que toma mais Rizoma do que Omeprazol :o) ), ter algumas brejas mais em conta pra substituir a Heineken velha de guerra nos churras da vida, me parece algo animador, não é mesmo?


FiL CruX
Beer Sommelier ávido por cervejas *A+* . É também um apreciador de música extrema e colecionador de miniatura de carros da PSA.

As melhores IPA disponíveis no Brasil são nacionais, vem em latão, custam caro e são “sold out”

Comments
5.695 visitas

IMG_20160819_194219581_edit

Fazer IPA de qualidade no Brasil pode resultar em vários desfechos: sucesso e holofotes são alguns deles. Neste sentido, a cena nacional começou a experimentar uma considerável elevação da “nota de corte” para o estilo há alguns pares de meses com o lançamento da ovacionada Dogma Rizoma.

E a coisa não parou por aí. Felizmente. Mas antes de continuarmos, vamos só pincelar como era o mercado de IPAs no Brasil antes do fator Rizoma. Com exceção de um punhado de nacionais como as Seasons (Green Cow e Holy Cow #2 especialmente), Bodebrown Cacau IPA, Tupiniquim Polimango e outras Dogmas como Touro Sentado e Hop Lover, se você quisesse beber uma IPA mais interessante, obrigatoriamente teria que partir para uma importada (como Ballast Point Sculpin, Dieu Du Ciel Moralité, Amager Todd e algumas outras) e torcer para que esta estivesse em boas condições após  uma verdadeira cruzada que é o processo de importação de cervejas para o BR.

Voltemos então ao fator Rizoma. O que ela trouxe de novidade para ter representado um divisor de águas? Bem, basicamente ela apresentou aos brasileiros um pouco das características entregues pelas tão aclamadas NE IPA. Ou seja: frescor agressivo, lupulagem de aroma sem miséria, amargor limpo, no harsh at all, não pasteurizada, não filtrada e caramelo zero. Com esse conjunto e com a carência do nosso mercado, ela simplesmente roubou a cena.

received_10209929324537251

A Dogma continuou no caminho desbravado pela Rizoma e lançou em seguida duas receitas de DIPA single hop:  Citra e Mosaic Lover. E novamente não desapontaram. Mas aí você deve está se perguntando: só a Dogma que tem feito IPA com tal proposta? Felizmente não. Recentemente os cariocas da Hocus Pocus lançaram a primeira NE IPA de fato no Brasil: a Overdrive.  Ela foi a primeira a usar a levedura específica desse “estilo” que nasceu em Vermont, nos EUA. Mas ainda é muito pouco para um mercado em expansão como o nosso.

Além das explosões de aromas e sabores, o que mais esses latões têm em comum? Os seus altos preços. Infelizmente. Chegando facilmente a R$ 40,00 uma lata com 473ml. O preço talvez seja justificado pela qualidade e quantidade de insumos utilizados na receita (principalmente lúpulos de aroma) e outros fatores como nosso sistema tributário perverso e margens dos pontos de venda.

Para finalizar, provavelmente você questione: e custando tudo isso, essas brejas não encalham? Resposta: de forma alguma. Elas costumam esgotar assim que chegam às geladeiras dos PDVs. Demonstrando com isso que o Brasil tem sim um público sedento por IPA high end. Aí deixo mais uma pergunta: e qual será a próxima cervejaria nacional a se juntar à Dogma e Hocus Pocus neste exclusivo clube?

Processed with VSCO
FiL CruX
Beer Sommelier e consultor ávido por cervejas *A+* . É também um apreciador de música extrema e colecionador de miniatura de carros da PSA.

Saison: um estilo ainda a ser desbravado no Brasil

Comments
1.720 visitas
Saison
Foto: beerandbrewing.com

Um dos estilos mais clássicos e versáteis que temos no mundo da cerveja é o chamado Saison (também comumente referenciado por muitas cervejarias como Farmhouse Ale). Na figura da lendária Saison Dupont, o estilo caiu nas graças da cena cervejeira mundial. A Dupont atualmente é uma das cervejas mais clonadas do mundo.

Contudo, temos acompanhado uma onda de repaginação do estilo promovida por cervejarias dos EUA. As melhores feitas por lá geralmente são extremamente secas (muitas terminam com FG 1000), complexas, de corpo baixo, entregam um funky delicioso, drinkability nas alturas e ainda trabalham de mãos dadas com a bretta. Ou seja: são cervejas que literalmente roubam a cena. E quais cervejarias na terra do Tio Sam entregam esta classe de saisons high end? Algumas. Tais como Hill Farmstead,  SARA, Jester King, Almanac, Crooked Stave, Funkworks e muitas outras.

E no Brasil? Aí complica (com exceção de algumas importadas como a própria Dupont, Fantome e Prairie). Infelizmente ainda não temos nenhuma saison nacional que entrega o perfil exposto acima. As nossas geralmente são “doces” (muito malte para a proposta), não atenuam o suficiente, corpo alto (novamente, para a proposta), abusam das frutas e pecam em complexidade. Ou seja: são equivalentes as IPAs caramelizadas  quando o assunto é lúpulo, podemos assim dizer. E olha que saison é um estilo presente nos portfólios de praticamente TODAS cervejarias nacionais.

Este panorama poderá mudar? Acredito que sim. Sei que há cervejeiros (não muitos) dispostos a abraçar o mundo “dry e complexo” das saisons A+. E sinceramente quem fizer isto primeiro será o grande responsável por introduzir o país no seleto grupo das saisons notáveis.

 

Processed with VSCO
FiL CruX
Beer Sommelier ávido por cervejas *A+* . É também um apreciador de música extrema e colecionador de miniatura de carros da PSA.

Deguste mais, deguste melhor: participe de uma confraria

Comments
933 visitas

Grid

Com o avanço da cerveja artesanal no mercado, aumento da disponibilidade de rótulos sofisticados (e caros) e, ainda, com um maior interesse por parte dos consumidores, certa prática bem difundida entre apreciadores de um outro fermentado tem se demonstrado como uma iniciativa produtiva e inteligente também para os que gostam de uma boa cerveja: a confraria. O tradicional ato de compartilhar bebidas entre amigos. Ou se preferirem, confrades.

Observo que eu costumo beber sozinho com grande frequência. Aprecio o momento. Contudo, degustar uma cerveja de qualidade em companhia de pessoas que também compartilham com você o mesmo interesse em entender os “porquês” de cada rótulo, em pesquisar e claro, investir, certamente é bem mais interessante. Essas são algumas das vantagens de participar de uma confraria. Vejamos outras três:

Custo

Até uns três ou quatros anos atrás, era possível para o consumidor (dos mais empenhados) conseguir sozinho acompanhar praticamente todos os lançamentos cervejeiros que chegavam ao mercado nacional. Já nos dias de hoje, tal comportamento se tornou quase que impossível de ser adotado. Pois além da avalanche de novas cervejas, os altos preços inviabilizaram quase que por completo algo neste sentido. Solução? Dividir os custos. Compartilhar. Assim aquela cerveja de R$ 280,00 passa a ser bem menos proibitiva, digamos.

“Caçar” em grupo sempre foi mais produtivo

O caminho para se degustar as melhores cervejas do mundo é muito menos espinhoso e dispendioso quando trilhado em conjunto. Entre confrades. Ou seja: quando o assunto é cerveja rara e A+, a confraria passar ser obrigatória – eu diria. Você sonha por exemplo em fazer uma vertical de Dark Lord ou mesmo degustar a linha “weekday stouts” da The Bruery? Trate de descobrir pessoas com esse mesmo objetivo e que estejam dispostas a cooperar na busca. Fazer isso sozinho levaria bem mais tempo e demandaria muito mais inve$$$timento. Acredite.

Aprendizado

O exercício de se degustar em grupo, além de ser prazeroso e bem divertido, é também pedagógico. Uma vez que você tem a oportunidade de trocar experiências com outras pessoas em tempo real sobre o que está bebendo e melhor, sob as mesmas condições. Normalmente todos participantes acabam aprendendo e ensinando algo em uma mesa de degustação. Sem dúvida este é um dos principais ganhos proporcionados pela confraria.

Para concluir, ressalto que tenho conhecimento de várias confrarias bem produtivas espalhadas pelo Brasil. Fico feliz com esse engajamento. Pois tudo isso acaba que fomentando novas amizades e consequentemente espalhando a cultura cervejeira.

Ah, mais uma coisa: nunca se esqueça que cerveja A+  TEM que ser compartilhada. É fundamental ter isto em mente caso você pense em participar de alguma confraria produtiva um dia.


FiL CruX
Beer Sommelier ávido por cervejas *A+* . É também um apreciador de música extrema e colecionador de miniatura de carros da PSA.

5 cervejarias para se tentar uma colaborativa definitivamente impactante

Comments
1.061 visitas

twins_edit

O movimento da cerveja artesanal no Brasil apesar de jovem, já conseguiu o feito de ser notado pela cena cervejeira mundial. Há razões para isso: medalhas em campeonatos importantes, participações de cervejarias em alguns dos festivais mais prestigiados do meio e ainda a empreitada de cervejas colaborativas com alguns respeitados nomes estrangeiros.

O desenvolvimento de uma cerveja realmente colaborativa além de fomentar o networking, troca de idéias, técnicas e conceitos; também tem mostrado ser uma eficiente estratégia de marketing. Contudo a escolha da cervejaria – ou das – parceira do projeto deve ser muito bem trabalhada. Ou seja: buscar nomes de peso no cenário mundial eu diria ser quase que mandatório para a relevância do projeto.

Entenda que “nome de peso” não significa necessariamente fama. Pois grande parte das cervejarias extremamente bem reputadas (as hypadas mesmo) não são conhecidas pelo grande público que consome artesanais. Porém por outro lado elas são veneradas pela exigente e influente comunidade de beer geeks. Pelos die-hards.

Geralmente essas cervejarias possuem um conjunto de características que as destoam das demais. Particularidades como: cervejas de qualidade exemplar, ousadia, longas filas em suas portas e domínio dos rankings são as semelhanças entre elas.

É fato que já tivemos alguns nomes respeitados fazendo colaborativas por aqui. Cervejarias como: Cigar City, Stone, Modern Times, De Molen, Evil Twin, Omnipollo, StillWater, To Øl etc. Contudo, de todas essas receitas que foram executas aqui podemos destacar duas ou três que realmente conseguiram uma relevância que rompeu nossas fronteiras. O resultado poderia ter sido mais positivo? Certamente. Principalmente se as parcerias fossem realizadas com cervejarias digamos que, mais hypadas.

Mas aí vem a pergunta: é fácil costurar uma colaborativa com cervejarias que detém as características listadas anteriormente (como as que vou listar mais adiante)? De forma alguma. Ninguém aqui disse esta é uma tarefa fácil. No entanto, olha aí um belo desafio para você cervejeiro profissional que almeja ver o nome de sua cervejaria soar familiar para muitos aficionados por cervejas A+ fora do país! Ok. E quais cervejarias eu deveria concentrar meus esforços para tentar de alguma forma gestar uma colaborativa?

Vamos lá: seguem cinco cervejarias que colocaria sem dúvida qualquer uma das nacionais no mapa da comunidade high end caso uma colab fosse realizada com elas. Dica bonus: que tal começar com um convite para os caras passar uns dias de férias no Brasil (claro, você pagando tudo)? ;o)

Funky Buddah

FB
Foto: beerbusterspodcast.com

Engana-se quem pensa que na Flórida só há a Cigar City de cervejaria de qualidade. Há várias outras. Dentre elas a Funky Buddah. Esses caras vem criando algumas das receitas mais desejadas dos EUA nos últimos anos. Flórida. Brasil. Calor. Que tal?

Pipeworks

pipeworks-logo

Além de ser uma bela cidade, Chicago é hoje uma das cidades que mais possui cervejarias que inovam dentro dos EUA. Uma das que lideram este movimento é a Pipeworks. Os caras são dementes. Praticamente “lançam uma receita a cada semana“. Alguma das melhores IPA que bebi foram feitas por eles. Sensacionais!

Trillium

Trillium
Foto: trilliumbrewing.com

Uma das caçulas da cena de cervejarias hypadas dos EUA, a Trillium é uma das grandes responsáveis pelo boom das chamadas NE / Cloudy IPA. Boston não é mais conhecida somente pela Samuel Adams e por Harvard. Imagine uma IPA colaborativa feita no Brasil com esses caras? Seria um feito daqueles meus amigos. Daqueles!

Casey

CaseyBrewingCo0615_0159
Foto: coloradohomesmag.com

Outra cervejaria nova e altamente admirada é a Casey Brewing & Blending. Esses caras isolados no meio do Colorado fazem hoje algumas das Sours e Saison mais desejadas da terra do Tio Sam. Capaz de motivar uma galera a dirigir mais de 1000 km só pra pegar algumas de suas garrafas. Aposto que eles ainda não conhecem o Brasil. Olha que bela oportunidade!

Jester King

jk
Foto: Divulgação

Esta dispensa maiores apresentações e já é considerada uma cervejaria clássica na comunidade A+. Mas para resumir: fazem algumas das melhores saison que você poderá beber um dia. Além de ótimas sours com fermentação espontânea. Dica: texanos geralmente gostam do Brasil.

Processed with VSCO
FiL CruX
Beer Sommelier ávido por cervejas *A+* . É também um apreciador de música extrema e colecionador de miniatura de carros da PSA.

 

Página 1 de 1012345...10...Última »

Cursos do Brejas

Participe dos cursos de cerveja do Brejas

  • Fabricação de Cerveja Caseira
  • Estilos e Degustação de Cerveja