Arquivos para a Categoria 'Bares que Amamos'Page 5 of 10

Bares que Amamos – THE BASEMENT

Comentários
1.796 visitas

Basement1

Rua Paul Hering, 35, em Blumenau (SC).

Em português, significa “O Porão”. Quem passa despreocupado pela rua Paul Hering, no centro de Blumenau, dificilmente repara na pequena escadaria que conduz, degraus abaixo, ao novíssimo e estiloso english pub de Juliano Mendes — pra quem não o conhece pelo nome, trata-se de ninguém menos que o fundador da Eisenbahn, hoje sob o controle do Grupo Schincariol.

Foi o próprio Juliano que, com a simpatia habitual, veio receber os confrades do BREJAS na elegante portaria de madeira do pub, no último sábado, 17/10. A casa ainda não estava aberta ao público — abriu na segunda, 20/10 — e a pré-inauguração era apenas para convidados especiais do anfitrião. O escritor Ronaldo Morado, autor do Larousse da Cerveja, também pintou por lá, e se deixou ficar conosco noite adentro em altos papos cervejeiros.

O espetáculo do The Basement está, acima de tudo, na ambientação. Reformado a partir de um porão verdadeiro no centenário prédio onde outrora funcionava a Livraria Blumenauense, os novos donos mantiveram intactas e expostas as paredes originais, de pedra, pelas quais se entrevê um pequeno labirinto de saletas privativas e pra lá de elegantes. A recriação de um autêntico pub inglês se completa no quilométrico balcão e no bom gosto da decoração e dos móveis, todos em madeira nobre. Nas caixas de som, uma bela seleção de rock e blues em volume confortável.

O forte da casa não é a variedade cervejeira, mas o nobre líquido está bem representado pelas Eisenbahn Pilsen, Dunkel, Weizenbier e Pale Ale. O cardápio é caprichadíssimo, e conta com snacks e pratos típicos ingleses (provamos os croquetes de salmão, de comer ajoelhado). Nota também seja dada ao staff atencioso e simpático.

Quase no final da noite fomos convidados a preencher a clássica fichinha de sugestões e avaliação do The Basement. Como amigos do Juliano, até tentamos identificar algum ponto negativo que pudéssemos apontar para, eventualmente, ajudá-lo a melhorar, à guisa de crítica propositiva.

Todos tentamos. Não conseguimos. 

Bares que Amamos: FREI TUCK SLOW BEER

Comentários
1.744 visitas

FreiTuck1

Av. do Contorno, 5757, Belo Horizonte (MG).

Ambiente aconchegante, clima intimista e uma vasta carta de cervejas. Isso e mais um pouco é o que o visitante encontrará no Frei Tuck Slow Beer, um pub megabacana na capital mineira que exala exclusividade.

Eleito informalmente como a “sede” da ACervA Mineira, é lá que se pode topar com os homebrewers que fazem e acontecem no cenário da criativa “escola mineira” de cerveja. Batem cartão por lá figuras como Henrique Pires, Márcio Rossi, João Becker, Adriano Carvalho, Marco Falcone, Ronaldo Morado e muitos outros, todos figurinhas carimbadíssimas da “cidade que respira cerveja”.

O atendimento, ágil e prestativo, é sempre pronto para sugerir, aconselhar e explicar sobre cerveja. É lá um dos únicos lugares que se pode provar, quase que direto da fábrica, os chopes da Falke Bier.

E pra quem está ou vai à Belo Horizonte nos próximos dias, aí vai a dica: Esquentando a próxima segunda-feira (31/08), acontecerá o Falke Bier Blues & Jazz, com a banda Cerveja Blues (veja abaixo o cartaz oficial do evento). O segundo chope da Falke é por conta da casa.

FALKE BIER BLUES AND JAZZ

FreiTuck3
FreiTuck2

Bares que amamos – Casa Paladino

Comentário
1.954 visitas

Fachada

Nos recônditos do centro carioca, rodeado por ruelas esburacadas e imersas em persistente odor de urina, esconde-se um dos bares mais tradicionais da cidade. Fica numa esquina da conhecida rua Uruguaiana, sinalizada apenas pelo letreiro da Brahma com a alcunha: Casa Paladino.

casa.paladino.2

Quem espia entre os produtos das vitrines pode julgar que se trata de um antigo armazém. São centenas de garrafas de vinho, peixes e iguarias enlatados, azeites e temperos, pedaços convidativos de bacalhau salgado.

casa-paladino1Aos primeiros passos no interior, a impressão se mantém. Mas, atrás das prateleiras de madeira vetusta e do balcão repleto, surgem duas pequenas áreas com mesas, o corre-corre dos garçons, os barulhos da cozinha.

A freguesia é eclética, variando de engravatados saídos dos muitos escritórios da região até estrangeiros com livretos turísticos, passando por estudantes e seleta boemia diurna.

Sim, diurna, porque o Paladino abre apenas para o almoço e pouco além disso.

 A casa é especializada em omeletes e as opções são diversas – nem tão baratas quanto permitiria sua matéria prima, nem mais caras do que a média alimentar dos bares locais. Este escriba provou o de camarão e saiu satisfeito. “Com salsinha e cebola?”, perguntou o garçom. Opa, como não?

O chope é, naturalmente, da Brahma. Refrescante, gelado, honesto. Mas cabe aqui uma singela indagação: onde foi parar o colarinho dos chopes cariocas? Quase não há boteco da cidade em que se encontre uma camada correta de espuma, no lugar daquela película tímida e passageira…

casa.paladino.3

A experiência no Paladino leva a uma aconchegante viagem histórica (a casa completou 103 anos de vida), embalada pelo apuro gastronômico e pelas figuras folclóricas que circulam no local e nele trabalham. Numa estadia mais longa, vale a pena almoçar ali diariamente, conhecendo todo o cardápio e fazendo enorme esforço para não torrar as economias nos seletos produtos da loja.

Serviço

Casa Paladino
Rua Uruguaiana, 224
Centro, Rio de Janeiro (RJ)
Fone: (21) 2263 2094

O “nipo-irlandês”

Comentários
460 visitas

guinness100pintclub

Aconteceu ontem, 12/08, uma reviravolta no score do Guinness 1000 Pint Club, “competição” idealizada pelo Bar do Italiano para dar notoriedade e premiar com descontos o fiel cliente que entornar o centésimo pint (copo de 500 mililitros) da breja irlandesa, que no bar é servida on tap.

Encarnando o mais puro espírito irlandês, o nissei Luiz Toshio Takahashi assumiu a liderança no placar, em meio à festa de seus ruidosos “torcedores”, mandando descer a sua centésima quadragésima quarta Guinness.

“Foi difícil, mas me concentrei e consegui”, comenta o nipo-irlandês, carregado em triunfo pelos amigos. Toshio promete esforçar-se para manter a liderança, custe o que custar.

EM TEMPO: Siga o Bar do Italiano no Twitter e saiba em primeira mão as novas brejas do bar e, toda manhã, o cardápio do almoço.

Guinness 100 Pint Club

Comentários
879 visitas

guinness100pintclub2

O dedão polegar aí de cima pertence ao Sérgio — Serjão para os íntimos, e Cervão para os mais íntimos ainda. Até o presente momento, ele é o chefão absoluto do Guinness 100 Pint Club, instituído no Bar do Italiano para dar notoriedade e premiar com desconto o fiel cliente que consumir mais de uma centena de pints (copos de 500 mililitros) da stout irlandesa, que no bar é servida na pressão.

Serjão diz que está em forma para garantir a liderança por muito tempo. Porém, Luiz Toshio Takahashi, o segundo colocado, não aceita a pecha de vice, e promete virar o jogo. A disputa esquenta a cada dia.

twitter

EM TEMPO: Clique na imagem acima para seguir o Bar do Italiano pelo Twitter. Saiba, em primeira-mão, as novidades do bar. E, toda manhã, sai o cardápio do almoço.

Anuncie

Anuncie no Brejas e divulgue o seu negócio:

Baixe nosso Mídia Kit

Entre em contato: [email protected]