Cadastre-se

Detalhe da Avaliação

3.7 49
Hot
Brasil
Brejas
Brejas
26 de Setembro de 2008 10367
Avaliação Geral
 
4.0
Aroma
 
9/10
Aparência
 
4/5
Sabor
 
15/20
Sensação
 
4/5
Conjunto
 
8/10
Belíssima pilsen da Biertruppe que supera suas inspiradoras tchecas (ao menos como elas nos chegam aqui) em complexidade de aromas lupulados e que apresenta um destacado amargor final para os amantes do lúpulo. Boa apresentação desde o bonito rótulo até o copo, em que despeja um líquido dourado médio, transparente, e forma um ótimo creme branco e denso. No aroma ela chega aos seus píncaros de excelência: como é de se esperar, domina claramente o lúpulo, apresentando uma excelente gama de aromas. Ao longo de toda a degustação, predominam as notas cítricas, lembrando grapefruit, acompanhadas inicialmente por um agradável floral e um toque de camomila, e posteriormente por flor de laranjeira e um quê levemente apimentado no nariz. Apesar do rótulo anunciar o apego à tradição tcheca, fiquei com a impressão de que o lúpulo de aroma não é o tradicionalíssimo Saaz (ou pelo menos não apenas ele), mostrando um blend intrigante e original de aromas. Muita fineza e frescor, mas achei que pecou um pouco na persistência: alguns aromas lupulados mostraram-se um tanto fugazes, de forma que ela foi perdendo um pouco de sua expressividade com o tempo. Na boca, predomina mais uma vez o cítrico, eclipsando os florais e condimentados e abrindo espaço, no final, a uma agradável presença do malte que, combinado com o fermento, equilibra o frescor do lúpulo trazendo notas de pão branco e fermento de pão fechando o gole. No paladar, é o amargor quem impera do início ao fim, com uma doçura suave de segundo plano, deixando um final longo e intensamente amargo, de um amargor levemente seco e suavemente oleoso ao mesmo tempo. Sei que a proposta é apresentar uma cerveja de amargor bem presente, mas acho que esse amargor acaba ficando um pouco destacado demais, até um tanto desequilibrado, sobretudo o residual amargo que fica na boca por bastante tempo. Ela mostrou corpo médio e uma textura suavemente acetinada - mais encorpada do que eu estava esperando, o que diminui um pouco sua leveza. Mas tem aquela gostosa sensação de leveza ao engolir e limpeza do paladar das tchecas, fruto da água pouco mineralizada típica do estilo. Trata-se, sem dúvida nenhuma, de uma pilsner espetacular, como poucas que tive a oportunidade de provar, com um excelente frescor e uma grande complexidade de aromas de lúpulo, misturando o cítrico-frutado a uma gama de florais e um toque condimentado (embora alguns desses aromas tenham se mostrado algo fugazes). Apesar do equilíbrio entre malte e lúpulo nos sabores, seu intenso amargor me pareceu se destacar um pouco demais em relação à doçura residual do malte, prejudicando levemente a drinkability. Mas não há dúvidas quanto à excelência da receita, e que venham novas Tchecas, no futuro, ainda mais aprimoradas!

Detalhes

Degustada em
05/Julho/2010
Envasamento
Volume em ml
355 ml
Onde comprou
Empório Alto dos Pinheiros
Preço
R$ 6,80
Denunciar esta avaliação Considera esta avaliação útil? 0 0

Comentários

Para escrever uma avaliação registre-se ou faça seu .
Cadastre-se