Cadastre-se

Lost Abbey Lost and Found

Sergio Curti 20 de Janeiro de 2011
 
4.5 (8)
6085   0   2  

Avaliações dos usuários

8 avaliações

 
(6)
 
(2)
3 estrelas
 
(0)
2 estrelas
 
(0)
1 estrela
 
(0)
Avaliação Geral 
 
4.5
Aroma 
 
9/10  (8)
Aparência 
 
5/5  (8)
Sabor 
 
18/20  (8)
Sensação 
 
5/5  (8)
Conjunto 
 
9/10  (8)
Para escrever uma avaliação por favor registre-se ou .
De volta ao item
8 resultados - mostrando 6 - 8
1 2
Ordenar
Avaliação Geral 
 
4.5
Aroma 
 
9/10
Aparência 
 
4/5
Sabor 
 
18/20
Sensação 
 
5/5
Conjunto 
 
9/10
Degustada a 9,4 graus de temperatura.
Essa Belgian Dubbel americana mostra toda a qualidade das cervejas da Lost Abbey.
Sua cor é marrom turva e seu creme tem média formação e duração.
No aroma se sobressai o malte caramelo e notas lupuladas florais, além das
uvas passas também presentes no sabor. O dulçor e o amargor ficam balanceados
entre o malte caramelo levemente tostado e o lúpulo floral. O álcool aparece
sutilmente em um corpo médio com carbonatação baixa. Mais um surpreendente
conjunto da nova escola americana proporcionando um equilíbrio fantástico para
o estilo. Altamente recomendada!


Destaque: Degustada nas ilustres presenças dos confrades Sangion e Marcussi.

Detalhes

Degustada em
18/Janeiro/2011
Envasamento
Volume em ml
750 ml
Denunciar esta avaliação Comentários (0) | Considera esta avaliação útil? 0 0
Avaliação Geral 
 
4.6
Aroma 
 
9/10
Aparência 
 
5/5
Sabor 
 
18/20
Sensação 
 
5/5
Conjunto 
 
9/10
Uma daquelas brejas que conquista logo no primeiro segundo, na primeia sentação.

Cor marrom escuro, caramelo escuro.

Aroma intenso de caramelo, café e lúpulo (herbáceo, floral e picante), muito presentes e combinados de maneira extremamente agradáveis. O aroma é tão gostoso que não dá nem vontade de prová-la pelos primeiros minutos, depois logo inverte, você fica louco de curiosidade para ver se o sabor consegue ser ainda melhor.

Pois bem... Na boca, mostrou sabores muito equilibrados entre doce e amargo. O lúpulo aparece novamente no sabor juntamente com o caramelo tostado. Doce no final mas bem balanceada. Tão suave que o álcool passa desapercebido e aparece somente quando a breja já esta quente.

Uma breja difícil de descrever, pois tem tantos aromas e sabores, mas nenhum super destacado, ou seja, todos muito harmoniosos formando um conjunto único e surpreendente.
Uma obra prima americana, complexa e ao mesmo tempo sutil e super equilibrada. Confesso que ficaria bebendo esta cerveja por dias, sem nem mesmo pensar em outra. Que delícia!

Detalhes

Degustada em
18/Janeiro/2011
Envasamento
Volume em ml
750 ml
Onde comprou
Palo Alto - Califórnia
Denunciar esta avaliação Comentários (0) | Considera esta avaliação útil? 0 0
Avaliação Geral 
 
4.5
Aroma 
 
9/10
Aparência 
 
4/5
Sabor 
 
18/20
Sensação 
 
5/5
Conjunto 
 
9/10
Harmonia, sutileza e complexidade. Algumas reinterpretações americanas de estilos tipicamente belgas, por abusarem demais de algum ingrediente (normalmente o lúpulo), acabam pondo a perder algumas das melhores qualidades das representantes originais desses estilos. Não é o caso aqui: decerto a lupulagem é um pouco mais expressiva do que a média para o estilo, o que lhe dá personalidade "americana" e equilíbrio, mas não se sobressai demais e não prejudica a maciez adocicada dos maltes escuros e a complexidade de aromas da levedura. Ela fica em algum ponto intermediário entre uma dubbel e uma dark strong ale: mais intensa que a típica dubbel, mais suave que uma dark strong ale mais intensa, mas guardando as boas qualidades de ambas. A aparência é um marrom avermelhado, opaco, com creme de volume mediano e boa persistência. No aroma como no sabor, uma equilibrada harmonia entre os maltes, lúpulos, levedura e adjuntos. A receita leva um purê de uvas passas, cujo sabor e aroma se notam claramente. Os maltes trazem um sólido caramelado amparado por percepções achocolatadas. As leveduras trazem uma esterificação com percepções de maçãs vermelhas e, quando ela esquenta, bananas, além de um fenólico apimentado que equilibra bem sua densidade frutada. Os lúpulos são alemães e trazem ervas finas, um suave floral e, na boca, um delicado herbal que me lembrou chá de erva cidreira (ou camomila?), dando a dose exata de frescor. O álcool é discreto, sutilmente perceptível com algo que lembra cachaça, mas bem-integrado. A entrada do gole é bem doce, mas logo aparece um bom amargor de fundo que conduz a um final equilibrado, doce-amargo, com retrogosto de chocolate, uvas passas e ervas. O corpo é mediano, acetinado, com carbonatação suave ressaltando sua maciez. Excelente interpretação do estilo, em que nada se destaca; antes, o que impressiona é a perfeita harmonia com que todos os ingredientes interagem entre si.

Detalhes

Degustada em
18/Janeiro/2011
Envasamento
Volume em ml
750 ml
Denunciar esta avaliação Comentários (0) | Considera esta avaliação útil? 1 0
8 resultados - mostrando 6 - 8
1 2

Anuncie

Anuncie no Brejas e divulgue o seu negócio:

Baixe nosso Mídia Kit

Entre em contato: [email protected]

Cadastre-se