Cadastre-se

De Molen Wilde Porter Barrel Aged

Alexandre Almeida Marcussi 05 de Julho de 2013
 
3.9 (2)
701   0   1  
 
Escrever Avaliação
Adicionar a uma lista
De Molen Wilde Porter Barrel Aged

Informações

Álcool (%)
6.2% ABV
IBU
35
Ingredientes
Water, pils, münchener, chocolate and brown barley malts, sladek and saaz hops (bittering), yeast (top fermenting & wild yeast)
Ativa
Sazonal
Temperatura
Copo ideal
.

Avaliações dos usuários

2 avaliações

Avaliação Geral 
 
3.9
Aroma 
 
9/10  (2)
Aparência 
 
2/5  (2)
Sabor 
 
16/20  (2)
Sensação 
 
4/5  (2)
Conjunto 
 
9/10  (2)
Para escrever uma avaliação por favor registre-se ou .
Avaliação Geral 
 
3.7
Aroma 
 
8/10
Aparência 
 
2/5
Sabor 
 
15/20
Sensação 
 
4/5
Conjunto 
 
8/10
Do seu lado porter, é discreta, fundo torrado leve, mais perceptível no retrogosto e pouco no aroma/sabor. Não mereceria grande atenção, se fosse só isso.

Agora, do seu lado sour, ou seja, do lado selvagem, a coisa muda de figura. Azeda e com aquela pegada dos brettas. Imagino que a acidez e aromas e sabores provenientes do lado do fermento selvagem, que da o toque sour da breja, é que diminuem o seu lado porter, o que acaba dando uma mistura interessante e até inusitada.

Detalhes

Degustada em
04/Junho/2013
Envasamento
Denunciar esta avaliação Comentários (0) | Considera esta avaliação útil? 0 0
Avaliação Geral 
 
4.0
Aroma 
 
9/10
Aparência 
 
2/5
Sabor 
 
16/20
Sensação 
 
4/5
Conjunto 
 
9/10
Inusitada combinação da De Molen; trata-se de uma porter com adição de leveduras selvagens e maturação em barris. O resultado combina a torrefação de uma porter, a alta acidez e os aromas animais de uma sour ale e um perfil frutado expressivo que lembra uma Flanders red ale. A aparência é bem feia, com uma cor ameixa-amarronzada opaca e quase sem espuma. No aroma, o que predomina são os traços de fermentação lática e Brettanomyces: muita acidez volátil, caprílico e estábulo fazendo a festa dos amantes de sour ales. A torrefação dá as caras trazendo caramelo, café e queimado, mas de forma mais suave. Há também um frutado expressivo e maduro com remissões a tomates secos, ameixas secas, vinho tinto e vinho do Porto, um pouco na linha de uma Flanders red ale com mais oxidação. O paladar evolui de forma interessante, com uma entrada que lembra uma Flanders red, com certa doçura, evoluindo para um final seco, bem ácido, em que a lupulagem assertiva se faz notar nitidamente. O corpo é leve, mas sutilmente cremoso, com alta carbonatação e alguma adstringência de taninos da madeira. Predomina claramente o perfil de sour ale, mas a torrefação é nítida e, embora inusitada, complementa a acidez de forma interessante. É como se você estivesse tomando uma sour, mas com um fundo de café e torrado. Combinação insuspeitada e ousada, mas que deu certo para o meu paladar!

Detalhes

Degustada em
04/Junho/2013
Envasamento
Volume em ml
750 ml
Denunciar esta avaliação Comentários (0) | Considera esta avaliação útil? 0 0

Anuncie

Anuncie no Brejas e divulgue o seu negócio:

Baixe nosso Mídia Kit

Entre em contato: [email protected]

Cadastre-se