Loverbeer Dama Bruna

Pedro Bianchi
Updated 10 de Junho de 2013
 
3.5 (1)
1690 0 1
Loverbeer Dama Bruna

Informações

Cervejaria
Álcool (%)
Percentual de alcool da cerveja no padrao ABV. Use apenas numeros com as casas decimais e para separar os decimais, use o ponto e nao a virgula
Ativa
Temperatura
Copo ideal

"Omaggio alle oud bruin fiamminghe che si manifesta soprattutto all’olfatto nel contrasto tra le note dolci di caramello e quelle acidulo-lattiche. Nel palato i sapori vinosi dalla maturazione in botte ci introducono ad un piacevole fruttato di ciliegia e uva sultanina con un finale caratterizzato da una lieve astringenza. A tavola si sposa bene con formaggi di media maturazione, mentre in cucina è perfetta per cucinare brasati e cacciagione." - Lorenzo Dabove in arte Kuaska.

Avaliações dos usuários

1 review
Avaliação Geral
 
3.5
Aroma
 
7/10(1)
Aparência
 
4/5(1)
Sabor
 
14/20(1)
Sensação
 
3/5(1)
Conjunto
 
7/10(1)
Para escrever uma avaliação por favor registre-se ou .
Avaliação Geral
 
3.5
Aroma
 
7/10
Aparência
 
4/5
Sabor
 
14/20
Sensação
 
3/5
Conjunto
 
7/10
A Loverbeer é nada mais nada menos do que a cervejaria italiana mais especializada em cervejas de fermentação espontânea. A Dama Bruna seria a interpretação dos italianos de uma Brown Ale de Flandres.
Tirada na pressão, apresentou coloração cobre com nuances avermelhadas, completamente opaca. Foi coroada com um creme bege, de bom volume, média duração e alta cremosidade, que ajudou a criar rendas na taça.
O aroma não traz tanta complexidade quantos as belgas tradicionais, mostrando um pouco de aroma de mofo, madeira, um toque avinagrado, leitoso, todos vindos de leveduras selvagens. Ainda há uma pegada mais "docinha" de caramelo e frutado de ameixa.
Na boca sim, um pouco mais expressiva e frutada, trazendo mais do caráter vinificado esperado, lembrando bastante uvas roxas doces e um roque mais exótico de guaraná. Há bastante malte também, que traz um fundo caramelado, contrastando com o final seco e amadeirado. Tem corpo médio, mas uma textura oleosa e aveludada, acompanhada de média carbonatação.
No geral, perde bastante para as mais tradicionais belgas, principalmente no quesito complexidade. Muito disso pode ser atribuído aos microrganismos residentes na madeira ou no ambiente de produção, provavelmente muito diferentes dos da região de Flandres. A Loverbeer ainda tem muito a estudar para alcançar resultados próximos as belguinhas mais famosas.

Detalhes

Degustada em
25/Setembro/2011
Envasamento
Denunciar esta avaliação Comentários (0) | Considera esta avaliação útil? 0 0