Arquivos para a Categoria 'Artigos'Page 75 of 89

Visita à Cervejaria Baden Baden

Comentários
894 visitas

baden01

Nos idos de 2005, este escriba esteve em visita à Cervejaria Baden Baden, em Campos do Jordão (SP), muito antes da cervejaria ser adquirida, dois anos depois, pelo Grupo Schincariol. Lá aprendi um pouco sobre o processo de fabricação das brejas, além de ser brindado, no final da visita, com uma degustação de alguns estilos. Separei aí embaixo algumas fotos desse tour cervejeiro. Bom divertimento!

Sala de brassagem e clarificação.

Sala de brassagem e clarificação.

Tanques de maturação.

Tanques de maturação.

No final da visita, a degustação com diversos estilos.

No final da visita, a degustação com diversos estilos.

Copos, kits de cervejas, camisetas... O paraíso dos colecionadores.

Copos, kits de cervejas, camisetas... O paraíso dos colecionadores.

Este escriba, feliz.

Este escriba, feliz.

A Cervejaria Baden Baden em Campos do Jordão fica na Av. Mateus da Costa Pinto, 1653, na Vila Santa Cruz. As visitas têm de ser agendadas com antecedência pelo telefone (12) 3664-2004, e acontecem diariamente das 10 às 17 horas.

Quintela: De colecionador a cervejeiro

Comentários
1.296 visitas

quintela

Latinhas, bolachas, rótulos, long-necks, tampinhas, copos, taças. A coleção de Carlos Quintela, da paulista Bebedouro, foi crescendo ao longo de 26 anos, inicialmente impulsionada pela abertura das importações no período Collor. Na impossibilidade de armazenar tantos itens importados e nacionais, Quintela foi forçado a fazer uma verdadeira escolha de Sofia: focou sua coleção apenas na breweriana brasileira. Hoje, Quintela possui a espantosa quantia de 25 mil itens cervejeiros, alguns raríssimos.

Mas coleção que se preza não é coleção de verdade se não pode ser exibida. Quintela, então, fez o que onze entre dez amantes de cervejas sonham fazer: montou um inacreditável pub dentro de casa (foto abaixo), com chopeira e tudo, onde recebe os amigos e expõe suas preciosidades entre um gole e muitos outros. 

Pensam que o Quintela ficou satisfeito? Pois certo dia, o paulista cismou de  “mudar um pouco” o que servia em seu pub. Resolveu, então, produzir sua própria cerveja, com sua própria grife. Nascia, então, a Quintybier. Hoje, os rótulos que produz já ultrapassaram as fronteiras da pequena Bebedouro, sendo comercializados em outras cidades e estados.

Quanto às cervejas Quintybier, deixaremos o leitor, por enquanto, na expectativa. O gente-boa Quintela gentilmente nos enviou um lote das suas criações, que serão degustadas pelos Confrades brejeiros assim que acertarmos nossas agendas, e voltaremos nesse espaço apenas pra falar das brejas dele. Hoje, esse post é dedicado apenas ao colecionador. Do cervejeiro, falaremos em breve.

O pub particular e parte da coleção do Quintela: Mordamo-nos de inveja...

O pub particular e parte da coleção do Quintela: Mordamo-nos de inveja...

EM TEMPO: Não deixe de visitar o site da Quintybier e o Blog do Quintela.

IBU: A escala do amargor da cerveja

Comentários
19.127 visitas

cervejas

Não é apenas no percentual de álccol (ABV) que se “mede” a força de uma cerveja. Há diversas outras unidades técnicas quantitativas que traçam um raio-x da breja, entre elas o índice de amargor. Em inglês, essa escala é chamada de IBU (International Biterness Unit). Quanto maior a IBU, mais a breja é amarga. Ou mais lupulada, já que o principal responsável pelo amargor de uma cerveja é o lúpulo. A IBU de uma cerveja é determinada por um cálculo específico feito no momento da sua fabricação, e as cervejarias quase nunca informam esse índice em seus rótulos.

Para melhor entendimento do leitor, BREJAS apresenta abaixo um gráfico apresentando a variação de IBU´s encontráveis em cada estilo de cerveja (segundo o BJCP). Repare, por exemplo, que uma cerveja “comum” brasileira, do estilo Standard American Lager — como aquela Brahma do boteco, por exemplo — tem de 8 a 15 IBU, enquanto que uma verdadeira pilsen, como a tcheca Czechvar, tem de 35 a 45. Alguns estilos são hiperlupulados, como as Imperial India Pale Ale, com IBU´s que vão de 60 a incríveis 120. Outras brejas possuem muito pouco amargor, como as lambics, cujo IBU é de, no máximo, 10.

ibubrejas

Cursos do BREJAS

Confira o programa de Cursos e Palestras do BREJAS. Para quem quer aprender a degustar com conhecimento, o Curso de Degustação de Cervejas e Cultura Cervejeira. E, para um evento realmente diferente na sua empresa, com informação cervejeira e também diversão, a Palestra-Apresentação corporativa O Mundo da Cerveja.

Cada cerveja com o seu copo

Comentários
928 visitas

tiposdecopos

O BREJAS traz aos avaliadores mais uma novidade. A partir de agora, cada cerveja acessada no Ranking contém a informação do tipo de copo ideal para ser degustada, bem como um link direto para a imagem do copo, com o seu descritivo.

Pode parecer frescura e muita gente pode até não acreditar, mas o tipo do copo influi consideravelmente nos prazeres degustativos que você pode obter de uma cerveja. E por dois motivos:

- APRESENTAÇÃO: Na Bélgica, cada cerveja tem o seu copo próprio. E olhe que estamos falando de um país do tamanho do nosso estado do Ceará e que possui mais de 450 cervejas diferentes. Isso porque um dos grandes prazeres degustativos é o visual. Nada mais inspirador do que a imagem de um cálice com uma cerveja trapista ou uma “tulipa” transbordando de hefeweiss alemã. Além disso, cada formato de copo tem uma função em relação à espuma, uns feitos com uma preocupação maior para mantê-la a uma certa altura, outros nem tanto.

- AROMA: Uma vez que o aroma é uma das principais características da cerveja, são levados em consideração os desenhos dos copos que sejam mais adequados, segundo o fabricante, para desprender o bouquet da breja que se está degustando.

É claro que nada substitui o prazer de tomar cerveja com os amigos, no boteco, com um prosaico copo “americano” . Mas consideramos que, na hora de degustar, você tenha à mão algum copo ao menos parecido com o que é recomendado pelo fabricante da cerveja, a fim de que você poder apreciar o que cada uma tem de melhor.

É mais um motivo pra você usar e abusar do nosso Ranking enquanto fonte de consulta. Aproveite!

Os 10 melhores bares com cervejas especiais da capital paulista

Comentários
22.136 visitas

frango

O site da revista Veja São Paulo elegeu os 10 melhores bares para se degustar cervejas especiais na capital paulista. Veja abaixo os eleitos:

- FRANGÓ: O bar já foi matéria da seção “Bares que Amamos” do BREJAS (veja AQUI). É a melhor carta de cervejas da cidade, com cerca de 250 rótulos. Entre uma golada e outra, prove as famosas minicoxinhas de frango com catupiry. Largo Nossa Senhor do Ó, 168 – Freguesia do Ó, fone (11) 3932-4818.

- ASTERIX: A lista de brejas beira os 200 nomes com marcas de dezesseis países diferentes. No cardápio de petiscos, destaque para a linguiça de javali acebolada. Alameda Joaquim Eugênio de Lima, 573 – Cerqueira César, fone  (11) 3368-5610.

- ANHANGUERA: O cardápio do bar só tem espaço para as microcervejarias brasileiras, e oferece 95 rótulos de oitos estados do país. Na seção dos petiscos, bolinhos de risoto de galinha caipira com pequi. Rua Aspicuelta, 595 – Vila Madalena, fone  (11) 3031-2888.

- DRAKE´S: Além do chope, uma carta com cerca de 150 rótulos de cervejas nacionais e importadas está à disposição. Na sobremesa, sorvete de Guinness com calda preparada com a própria bebida e farofa de castanha-de-caju. Rua Tucumbira, 163 (Centro Brasileiro Britânico) – Pinheiros, fone (11) 3812-4477.

- LAUS BEER: O lugar é um misto de bar e loja. Ali é possível degustar as cervejas da carta ou comprar e levá-las para casa.Entre as brejas nacionais e importadas, são aproximadamente 130 rótulos. Para petiscar, bolinhos de quatro queijos envoltos com gergelim. Rua Fernandes Moreira, 384, Chácara Santo Antônio, fone  (11) 3567-0569.

- PIER 1327: A carta de cervejas traz cerca de 140 rótulos. Acompanhe a bebida com uma porção de linguiça recheada de provolone e orégano na chapa. Para quem quiser aprender a arte da cervejaria, o espaço montou uma minifábrica e oferece cursos com 10 horas de duração, diluídas em quatro aulas. Rua Joaquim Távora, 1327 – Vila Mariana, fones (11) 5539-6213 e (11) 2597-7231.

- TORTULA: Um misto de bar, lanchonete e padaria, o Tortula tem uma oferta de mais de 200 loiras, ruivas e morenas de diferentes nacionalidades. Se a idéia é bebericar por ali mesmo, vai bem a cerveja na companhia de calabresa acebolada. Avenida Santo Amaro, 4371 – Brooklin, fone  (11) 5091-6680.

- BEZERRA: Na carta deste legítimo botequim, quase cem rótulos de brejas nacionais e importadas. Para comer, costela assada no bafo com mandioca pré-cozida e batata frita. Rua Coriolano, 800 – Vila Romana, fone  (11) 3862-4646.

- EMILIANO: Localizado dentro do hotel Emiliano, entre o lobby e o restaurante, está o elegante e sossegado bar com decoração em tons claros e luz amena. A lista de cervejas tem mais de vinte opções, de cinco países diferentes, incluindo o Brasil. Para beliscar, tábua de queijos variados. Rua Oscar Freire, 384 – Jardim Paulista, fone  (11) 3068-4393.

- PARALELO 12:27: São 43 brejas da lista entre gringas e brasileiras. Acompanhe com uma porção de calabresa flambada na cachaça. Rua Joaquim Távora, 1227 – Vila Mariana, fone  (11) 5579-1227.

Fonte: Portal Veja São Paulo. Veja a reportagem completa AQUI.

Aproveite que hoje é sexta-feira, escolha o seu endereço e lance-se à degustação! No dia seguinte, prolongue a brincadeira, dando notas e comentários às brejas que experimentou no nosso Ranking de Cerveja.

E não deixe de conhecer o Bar Brejas em Campinas/SP, originado a partir deste site e, obviamente, dedicado a cervejas especiais e à cultura cervejeira.

Página 75 de 89« Primeira...102030...7374757677...80...Última »

Anuncie

Anuncie no Brejas e divulgue o seu negócio:

Baixe nosso Mídia Kit

Entre em contato: brejas@brejas.com.br

Cursos do Brejas

Participe dos cursos de cerveja do Brejas

  • Fabricação de Cerveja Caseira
  • Estilos e Degustação de Cerveja