Cadastre-se

Ommegang Three Philosophers

Hot
Mauricio Beltramelli 26 de Março de 2009
 
4.2 (30)
10809   0   8  

Avaliações dos usuários

8 avaliações com 5 estrelas

30 avaliações

 
(8)
 
(21)
 
(1)
2 estrelas
 
(0)
1 estrela
 
(0)
Avaliação Geral 
 
4.2
Aroma 
 
9/10  (30)
Aparência 
 
4/5  (30)
Sabor 
 
17/20  (30)
Sensação 
 
4/5  (30)
Conjunto 
 
8/10  (30)
Para escrever uma avaliação por favor registre-se ou .
De volta ao item
8 resultados - mostrando 1 - 5
1 2
Ordenar
Avaliação Geral 
 
4.6
Aroma 
 
10/10
Aparência 
 
4/5
Sabor 
 
19/20
Sensação 
 
4/5
Conjunto 
 
9/10
A Ommegang Three Philosophers é uma cerveja de alta fermentação do estilo Specialty-Beer que caracteriza cervejas artesanais com algo que a torna especial, como por exemplo um tempero único. Pode incluir maltes e cereais pouco comuns, blend de cervejas, combinações de estilos enfim algo que que lhe confira distinção. A coloração é variável, podendo ser clara ou escura, e a formação da espuma poderá ser influenciada pelo adjunto/processo dito especial; o aroma é harmonioso, mas a ideia do estilo é de que sobressaia, de que seja saliente ou ao menos perceptível o que torna a cerveja especial; o sabor via de regra segue o aroma e repete tais percepções, podendo proporcionar um corpo de leve a pesado.

É produzida pela Cervejaria Ommegang, instalada na cidade americana de Cooperstown/Nova Yorque, e sua história remonta ao ano de 1997. Desde então fabrica estilos belgas e a parte que pertencia a cidadãos americanos foi vendida à Cervejaria Moortgat (Duvel) no ano de 2003. De qualidade altamente reconhecida nos EUA e no mundo possui rótulos premiados tais como a Hennepin (Saison), a Rare Vos (Belgian Ale), a Gnomegang (Belgian Strong Ale), a Whitte (Witbier) e muitas outras cervejas de destaque em seu vasto portfólio.

A cerveja vem numa garrafa de 355ml (há de 750ml) e ostenta um belo rótulo de cor branca ornado com a gravura do brasão da cervejaria e de três pessoas que fazem referência ao nome da breja. Também há menção ao estilo denominado 'Belgian Blend', indicando a receita de 98% ale + 2% Kriek Lambic. No gargalo há etiqueta com o ano de fabricação - 2012.

Vertida na taça revelou um líquido de coloração acobreada, grande turbidez, espuma bege cremosa de bela formação e consistência, densa, volumosa e de destacada manutenção. Desenhou algumas rendas pelas laterais da taça. Perlage (bolhas) perceptível.

O aroma é intenso e delicioso! De caráter adocicado e frutado apresenta notas maltadas, torrefação, caramelo, fermento, cerejas (sutil, mas está lá), ameixas, passas, amadeirado, álcool e baixo amargor.

No paladar o líquido apresenta-se aveludado e encorpado e repete as impressões olfativas. Novamente um belíssimo adocicado/frutado aponta a presença de notas de malte, torrefação, caramelo, chocolate, cerejas, frutas secas, madeira, leveduras, álcool e lúpulo fugidio. O final se mostra seco, longo e agridoce e o retrogosto é alcóolico. A carbonatação é média e o corpo é médio-alto. O álcool de 9,8% ABV fica em segundo plano e apesar de dar um agradável aquecimento está em harmonia com o conjunto. A drinkability é ótima!

Uma bela ideia essa de combinar uma quadruppel com uma pequena parte de fruit lambic. Tenho ainda uma garrafa de 750ml (2011), devidamente guardada, que foi mas difícil de conseguir do que esta de 355. Cerveja bastante complexa, equilibrada e com corpo robusto. Belíssimo conjunto!

Trata-se de um primor de cerveja e faz parte do grupo das melhores brejas americanas.

Imperdível!

Detalhes

Degustada em
27/Julho/2013
Envasamento
Volume em ml
355 ml
Onde comprou
Glauco
Preço
30 e poucos.
Denunciar esta avaliação Comentários (0) | Considera esta avaliação útil? 0 0
Avaliação Geral 
 
4.7
Aroma 
 
10/10
Aparência 
 
5/5
Sabor 
 
18/20
Sensação 
 
5/5
Conjunto 
 
9/10
Breja rubi de média turbidez, de creme branco, denso e persistente. O aroma é sensacional, apresentando notas de algo defumado, de alcaçuz, caramelo, baunilha, frutas vermelhas e amadeirado. O sabor acompanha, sendo que o caramelo é substituído por melaço e a baunilha por chocolate. É bastante encorpada e possui efervescência média. Que cerveja !!!!

Detalhes

Envasamento
Volume em ml
750 ml
Onde comprou
Whole Foods Market
Denunciar esta avaliação Comentários (0) | Considera esta avaliação útil? 0 0
Avaliação Geral 
 
4.6
Aroma 
 
9/10
Aparência 
 
5/5
Sabor 
 
18/20
Sensação 
 
5/5
Conjunto 
 
9/10
Coloração rubi, turva e intensa. Creme extremamente denso e consistente. Notas de malte, lúpulo, caramelo, vinho, madeira, baunilha e frutas vermelhas (destacando cereja). Encorpada, com efervescência média. Álcool bem inserido e muito complexa. Excelente.

Detalhes

Envasamento
Volume em ml
750 ml
Denunciar esta avaliação Comentários (0) | Considera esta avaliação útil? 0 0
Avaliação Geral 
 
4.8
Aroma 
 
10/10
Aparência 
 
5/5
Sabor 
 
20/20
Sensação 
 
4/5
Conjunto 
 
9/10
Coloração: muito parecido com uísque. Um vinho fechado, ocre, com boa translucidez. Coloração linda, dá vontade de ficar olhando a cerveja contra a luiz por muito tempo.

Creme: bege, sedoso e cremoso na boca. Pouco persistente. Uma pequena camada permanece na taça, mas por poucos segundos. Carbonatação baixa.

Aroma: Denso, persistente. Senti madeira e malte tostado, muito forte. As frutas vermelhas aparecem em menor quantidade. O álcool também se faz presente. O aroma invade as narinas, deixa tonto.

Paladar: Esplêndido. A cereja é muito mais percebida aqui do que no aroma. O malte tostado perde força. O final é adocidado e amargo, em magnífico equilíbrio. O álcool é forte e, embora presente, é bem inserido. O retrogosto tem muito de vinho do porto e chocolate amargo.

Uma das melhores cervejas que já tomei. Impressionante sob todos os aspectos. Forte, com identidade e muitíssimo equilibrada. Pena que seja quase inacessível aqui no Brasil.

Detalhes

Degustada em
04/Março/2012
Envasamento
Volume em ml
330 ml
Onde comprou
Glauco
Denunciar esta avaliação Comentários (0) | Considera esta avaliação útil? 0 0
(Atualizado: 08 de Agosto de 2011)
Avaliação Geral 
 
4.5
Aroma 
 
10/10
Aparência 
 
5/5
Sabor 
 
17/20
Sensação 
 
4/5
Conjunto 
 
9/10
Para quem acha que cervejas americanas são puro lúpulo, aqui está uma das cervejarias que vai em filosofia totalmente contrária, e segue uma tendência que algumas novas cervejarias americanas optaram. A Ommegang é uma cervejaria especializada em estilos belgas e pela excelência do produto, foi comprada pela Moortgat, a mesma cervejaria que produz a clássica Duvel. A Three Philosophers é o rótulo mais aclamado da cervejaria, envolvida até por uma certa mística. Trata-se de um blend de 98% de uma Quadrupel e 2% de uma Kriek Lambic, no caso, a da Lindermans é usada.
A apresentação começa bela desde o rótulo e no líquido também não decepciona: uma vívida coloração acobreada, que mostra brilhos intensos de rubi quando colocado contra a luz e praticamente nada de translucidez. Possui um belo creme bege, que se forma em grande volume, de textura extremamente cremosa, que vai caindo lentamente.
Apesar de quantidade de Kriek Lambic colocada na receita ser pouca, os aromas de cereja já mostram-se bem evidentes, e casam perfeitamente com a esterificação de levedura belga e os maltes caramelados, que ainda trazem a riqueza frutada de ameixas, com um toque de figos ramy. Maltes ainda trazem um ótimo plano de fundo, típicos do estilo, evocando uma sensação caramelada, achocolatada e até um pouco de avelã.
Como já esperado, a doçura dos maltes domina o paladar, com um forte perfil de mel, caramelo e chocolate. A complexidade frutada das cerejas com os maltes, me fazem lembrar muito um bolo de frutas, ou as vezes bebidas mais adocicadas como vinho do porto e até cachaça. Há um fundo salgado que me lembrou molho de tomate, que com uma leve acidez trazida talvez pela Lambic, deu até um equilíbrio para a Three Philosophers. Na verdade, creio que a acidez de Lambic e os aromas de Brettanomyces não sejam evidentes na cerveja, não somente pela pouca quantidade usada, mas também por se tratar da Kriek da Lindermans, que tem uma versão comercial, ou seja, adoçada. Tem uma textura deliciosamente aveludada, uma alta carbonatação e um álcool picante, um pouco menos delicado do que eu imagino para uma cerveja equilibrada. Ainda é possível sentir um toque condimentado de canela em meio a todas essas sensações.
Todas as expectativas criada sobre o rótulo foram superadas. Tem aquela doçura típica das Quadrupel, alta complexidade e a maciez dos maltes sendo complementadas por um toquinho de cerejas da Lambic. Me pergunto também qual seria o resultado com a utilização de uma Lambic mais "old school" em maiores quantidades. Uma Sour Quadruppel não iria nada mal e traria um contraste interessante. Seria interessante também, um pouco mais de aromas fenólicos, para trazer também um certo contraste. Para quem gosta de cervejas mais adocicadas (o meu caso), um prato cheio. Meus agradecimentos vão ao confrade João Amstalden, que trouxe esta relíquia direto de Nova Iorque.

Detalhes

Degustada em
21/Julho/2011
Envasamento
Volume em ml
750 ml
Denunciar esta avaliação Comentários (0) | Considera esta avaliação útil? 2 0
8 resultados - mostrando 1 - 5
1 2

Anuncie

Anuncie no Brejas e divulgue o seu negócio:

Baixe nosso Mídia Kit

Entre em contato: [email protected]

Cadastre-se