Blog do BREJAS

Nova cerveja da Colorado: O rótulo

Comentários
1.810 visitas

coloradovintageblackrapadura

O que o leitor vê acima é o estudo do rótulo da aguardada nova breja da Cervejaria Colorado, a Vintage Black Rapadura, cuja formula conterá rapadura escura (veja mais detalhes AQUI).

Ao que parece, a cervejaria de Ribeirão Preto abandonará os desenhos elaborados que figuravam nos outros rótulos do seu portfólio, dando espaço a um visual mais enxuto.

ursodeoculos

E enquanto a nova cerveja não chega, uma curiosidade: O urso-símbolo da Cervejaria Colorado tem nome e sobrenome. Trata-se do urso-de-óculos (foto ao lado), também conhecido como urso-andino ou urso-de-lunetas (Tremarctos ornatus). É o único urso a habitar a América do Sul. Possui hábitos noturnos, vive nas copas das árvores na região dos Andes e não hiberna. É um animal essencialmente solitário, mas de comportamento extremamente dócil com o homem.

EM TEMPO: Deixe aqui o seu comentário sobre o rótulo da nova Colorado Vintage Black Rapadura. É com a participação dos leitores que faremos um Brasil cervejeiro cada vez melhor — incluindo os rótulos!

Cervejas caseiras das Minas Gerais

Comentários
2.142 visitas

Como já disse Marco Falcone, proprietário da cervejaria Falke Bier, “Belo Horizonte está respirando cerveja!”. Foi pelas mãos do Marcio Rossi, avaliador de mão-cheia no nosso Ranking — o qual veio da capital mineira a Campinas participar do evento PRATOS & BREJAS — que pusemos a afirmação à prova. Na mala, o amigo trouxe algumas produções caseiras das Alterosas, e pelo menos duas delas mereceram destaque. Vamos a elas.

lebenskraft1

O homebrewer Humberto Ribeiro é o fundador da fictícia “Companhia Cervejeira Jambreiro” a qual funciona, de fato, na casa dele mesmo, em Nova Lima (MG). No braço e na raça, Ribeiro faz 200 litros mensais da sua Jambreiro LebensKraft, e algumas produções são compradas antes mesmo de iniciadas. O cervejeiro caseiro gosta de dizer que desenvolveu a breja pra agradar a mulher, Aline, que tinha resistência a cervejas não-comerciais. No estilo Kölsch, seguindo a Lei de Pureza alemã, foi utilizado um fermento capaz de “trabalhar” com amplitudes térmicas flexíveis, sem a produção de off-flavors ou ésteres frutados, que reduziriam sua drinkability.

E, de fato, o grande trunfo da LebensKraft — que, em alemão, quer dizer “força vital” — é justamente o prazer que se tem em bebê-la. De coloração alaranjada e certa turbidez, logo de cara se percebe o aroma herbáceo do lúpulo, com sugestões de mel. No sabor, um dulçor peculiar, sobressaindo o biscoito e um leve amargor lupulado. Uma breja deliciosamente equilibrada, que agradou a Aline e o resto da mineirada — ou ao menos os sortudos que conseguiram uma garrafa.

dumabierpaleale1

Já a DuMa Bier Pale Ale foi a primeira cerveja do homebrewer Daniel Motta, há cerca de um ano. Segundo o próprio, levou nada menos do que dezessete horas pra ficar no ponto. Como toda produção caseira, o cervejeiro relata que enfrentou uma penca de contratempos, a ponto de pensar que havia perdido a leva toda. Pra surpresa alegria de Motta (e a nossa), nenhuma tragédia aconteceu, e a breja saiu melhor que o esperado. Em virtude dessa odisséia, Daniel costuma chamar a sua cerveja de “A Encantada”.

Da receita original, a DuMa só mudou o fermento, que antes era o do tipo S-04 e agora é Nottingham. O resultado final é uma pale ale fora de série, diferente e marcante, mas sem abandonar as características do estilo. O creme bege é denso, persistente e consistente, coroando o líquido âmbar translúcido. Ao ser servida, logo se percebe o punch lupulado, através do aroma herbal que se volatiza com facilidade e alcança as narinas como uma comissão de frente de escola de samba. No sabor, a breja acompanha perfeitamente o aroma, com sugestões de biscoito, nozes e um toque amadeirado. O final é longo, seco e levemente tostado, implorando o novo gole.

Excelentes cervejas, que nos fazem revigorar a fé na produção caseira em terras patropis. Se um dia topar com uma delas, não deixe escapar a oportunidade de provar essas deliciosas mineirinhas!

Hair Of The Dog Ruth

Comentários
233 visitas

hairofthedogruthAntes de começar, peço desculpas aos leitores pela foto ao lado, cuja breja está num prosaico (e porque não dizer, blasfemo) copo de plástico, eis que eu estava no meu quarto de hotel em Nova York quando a provei, com uma preguiça enorme de pedir à recepção um recipiente mais adequado.

Quem acompanha este Blog já pôde conferir minha resenha sobre o carro-chefe da cervejaria Hair Of The Dog Brewing Company, a Adam, uma breja bastante complexa. Já nesta Hair Of The Dog Ruth, a intenção era elaborar uma cerveja no estilo pale ale. Todavia, seguindo a característica dos cervejeiros artesanais americanos, o resultado foi uma pale ale incomum, dotada de características bastante particulares. E deliciosas…

A coloração é essa da foto e o creme é denso e consistente, deixando um “filme” perene no copo (mesmo o de plástico!) por longo tempo. O suave aroma flutua entre o floral e o cítrico, com presença evidente de malte e lúpulo aromático da variedade Crystal, bem como sugestão de pêssegos.

Já no sabor, a breja mostra a que veio. A suavidade marcante do lúpulo dá as caras, e casa perfeitamente com a sugestão frutada do aroma. A carbonatação é na medida, e a drinkability nada menos do que ótima. O final é longo e remete ao floral do Crystal por longos e deliciosos momentos. Uma cerveja refrescante, perfeitamente inserida dentro do estilo proposto, e com um plus lupulado e frutado.

Abra-se aqui um parêntese para explicar o bizarro nome, tanto da breja quanto da cervejaria. “Hair Of The Dog” é uma expressão idiomática americana que significa algo como “beber mais uma para curar a ressaca”. Já “Ruth”, segundo o proprietário da cervejaria, Alan Sprints, é uma singela homenagem à sua avó do mesmo nome, em gratidão “ao seu amor e apoio”…

Ainda bem que existem no mundo cervejeiro esses doces “malucos”. Um brinde a eles. E à vó Ruth!

Deus está presente no Bar Brejas

Comentários
684 visitas

deus1.jpg

A cerveja belga Deus Brut des Flandres está no Bar Brejas, em Campinas. Trata-se de uma breja especialíssima em função da sua técnica de elaboração conhecida como champegnoise.

Fermentada duas vezes, a Deus é transportada da Brouwerij Bosteels, na Bélgica, onde é fabricada, para a região francesa de Champagne, onde é maturada em barris de carvalho por no mínimo um ano. Já na garrafa, é submetida à tecnica da remuage, na qual um profissional as gira diariamente, no mesmo sentido, cada vez inclinando um pouco, até ficarem com os gargalos totalmente voltados pra baixo. Daí, congela-se os gargalos nos quais se depositaram os fermentos e demais borras, os quais são expulsos pela própria pressão do líquido. Deus está pronta.

O resultado define-se em quatro palavras: leveza, balanceamento, complexidade e sofisticação. No sabor, floral e frutado, o álcool (11,5% ABV) só se sente levemente na garganta. Borbulhante, ostenta um perlage maravilhoso, digno dos grandes espumantes. Ainda hpa sugestões de fermento, madeira de carvalho, cítrico, erva-doce, vinho branco, manteiga, manjericão, sálvia e alecrim. Precisa dizer mais?

Pra ter a chance de degustar essa breja ímpar, o felizardo pagará R$ 229,90 pela garrafa de 750 mililitros, boa pra rachar em 3 ou 4 degustadores. Vale cada centavo, mas no Bar Brejas ainda há outras belgas a preços mais acessíveis, caso das imperdíveis Tripel Karmeliet, La Chouffe e Pauwel Kwak. É só escolher o seu “veneno”.

BARES QUE AMAMOS – Peculier Pub

Comentários
886 visitas

145 Bleecker St., Nova York (EUA).

Só o bairro já é uma delícia de ser frequentado. Nos arredores da Universidade de Nova York, o East Village é uma espécie de convescote ininterrupto. Da manhã ao meio da tarde, as “deli” servem refeições ao modo americano, subentendendo nessa noção o conceito muito de tudo. E à noite é a vez dos pubs, com gente a congestionar as ruas estreitas, mesmo com o frio de rachar que fazia durante a visita deste escriba.

Há três décadas no mesmo imóvel centenário — antes uma livraria — o Peculier Pub ostenta uma das maiores cartas de cerveja da Grande Maçã. São mais de 300 rótulos, fora outros 20 on tap, com destaque para as brejas artesanais da nova escola cervejeira americana. Foi lá, por exemplo, que experimentei a espetacular Ommegang Three Philosophers.

O que faz do Peculier peculiar é a decoração. Nas paredes, há uma miríade de mosaicos elaborados com tampinhas de cervejas, em sua maioria criados por um “artista” local, um certo Tommy Chou. Tem de tudo: totens indígenas, hieróglifos, desenhos egípcios, desenhos psicodélicos, desenhos africanos, desenhos nada-a-ver e até mesmo equações matemáticas.

Kitch? Por certo. Mas a moçada que frequenta o Peculier se lixa pra isso. Vazio no meio da tarde, o pub vai lotando à noitinha de estudantes enforcando aula e executivos que trabalham nos arredores em busca de relax. Lá pelas oito o local já é uma alegre balbúrdia, a merecer empenho se você quiser ser atendido.

Página 243 de 304« Primeira...102030...241242243244245...250260270...Última »

Anuncie

Anuncie no Brejas e divulgue o seu negócio:

Baixe nosso Mídia Kit

Entre em contato: brejas@brejas.com.br

Cursos do Brejas

Participe dos cursos de cerveja do Brejas

  • Fabricação de Cerveja Caseira
  • Estilos e Degustação de Cerveja